Confidencial
Subscrever Newsletter

 

São Tomé e Príncipe: Orçamento Geral do Estado para 2013 | Jornal Digital
Lusofonia

Plano de contenção

São Tomé e Príncipe: Orçamento Geral do Estado para 2013

2012-11-19 12:25:07

São Tomé – O Orçamento Geral do Estado que o Primeiro-ministro entregou na Assembleia Nacional é de contenção, tal como já havia sido anunciado.

O valor do Orçamento de Estado (OE) é de 142 milhões de dólares, tendo havido um decréscimo de cerca de 11 milhões de dólares em comparação com o OE para 2012, que era de 153 milhões de dólares.

Segundo Patrice Trovoada, a estrutura é semelhante à do Orçamento ainda em curso mas «com um pouco mais de prudência».

Ao sector das Obras Públicas é atribuído cerca de 40% do valor. O Ministério do Plano e Desenvolvimento, que abarca a área produtiva, leva 18% em termos de investimento. A Saúde e a Educação abarcam 10% da quantia.

«A massa salarial vai crescer de 7,6%. Se considerarmos que o objectivo ainda atingível da inflacção será inferior a 10%, creio que continuamos com uma gestão prudente», revelou Patrice Trovoada.

«Quanto ao défice primário, este ano vamos atingir a meta de 3,2%, objectivo que se veio manter em 2013», acrescentou o Chefe do Governo.

O país continua bastante dependente de recursos externos para o financiamento do Programa de Investimento Público, na ordem dos 80%. No ano passado, estes recursos rondavam os 93%.

O crescimento económico foi revisto em baixa, também de acordo com a recomendação do Banco Mundial, atingindo, este ano, 4% e com previsão de 5% em 2013.

Este Orçamento inclui ainda uma série de projectos de «impacto comunitário», que estão distribuídos entre os vários sectores como Educação, Saúde, Defesa e Segurança e Obras Públicas.

«Houve um reforço dos orçamentos a nível do poder local mas esses
projectos que surgem de uma concertação entre os poderes local e central serão da responsabilidade do governo», disse o governante.

É uma consequência do chamado «Orçamento do Cidadão», depois de o Governo ter feito, há cerca de um mês, uma ronda a todos os distritos e à Região Autónoma do Príncipe, para detectar as prioridades.

O Ministro das Finanças, Américo Ramos, deu a entender recentemente que o OE para 2013 teria um novo eixo virado para dar «mais atenção aos problemas locais, potenciando saneamento básico, as pistas rurais, a energia e a reposição da água para as populações rurais».

Antes de entregar o Orçamento e as Grandes Opções do Plano para 2013, o Primeiro-ministro recebeu os partidos com assento parlamentar para dar a conhecer os eixos essenciais do principal instrumento de governação.

Com excepção da representação do ADI, partido que suporta o Governo, os representantes da oposição (MLSTP/PSD, PCD e MDFM/PL) optaram por fazer declarações cautelosas, remetendo tudo para o debate que vai haver no Parlamento, depois de tomarem conhecimento profundo dos documentos.

O OE foi apresentado tendo ainda como pano de fundo a crise económica e financeira internacional, nomeadamente com dificuldades acentuadas na zona euro, com quem o país desenvolve relações mais estreitas, bem como a tendência do aumento de preços de alguns produtos básicos no mercado mundial.

Entretanto, as sucessivas avaliações dos parceiros dão nota positiva no âmbito macroeconómico. Por exemplo, a equipa luso-santomense que apreciou recentemente o cumprimento do Acordo de Cooperação Económica entre São Tomé e Príncipe e Portugal, assinado em 2008, qualificou-o de positivo e estável.

O Director-geral das Finanças de Portugal, que é igualmente coordenador da parte portuguesa da comissão de acompanhamento do acordo de cooperação económica, disse que desde a assinatura do convénio que fixou a taxa de câmbio única entre a Dobra (moeda nacional) e o Euro, o arquipélago nunca solicitou crédito para restabelecer a reserva de importação.

«Nunca houve necessidade de usar a facilidade de crédito, o que demonstra também um factor positivo de fixar moedas», garantiu Hélder Reis.

Porém, a percepção que se tem no quadro da microeconomia é que há muitas dificuldades. A expressão que se tem ouvido ultimamente, nomeadamente de operadores económicos, é que o «Governo escondeu dinheiro». De facto os empresários locais e consumidores não conseguem verbas para investirem e têm pouco para despender.

O ministro santomense das Finanças e Cooperação internacional advertiu para a necessidade de o país investir mais no sector produtivo.

«A diminuição do fluxo de financiamento dos doadores prejudica a nossa economia. A solução passa por darmos grande atenção ao sector real, ao sector produtivo e ao sector privado, de forma a conseguirmos produzir mais riqueza para financiar as nossas actividades e a nossa economia», disse Américo Ramos, à margem da avaliação do Acordo de Cooperação Económica.

Neste âmbito, Lisboa viabilizou a São Tomé um fundo de estabilização na ordem de 45 milhões de Euros, nunca accionado, e tem monitorizado periodicamente as incidências da Dobra relativamente ao Euro.

Como resultado do citado acordo, as partes fixaram a taxa de câmbio no valor de 1 Euro correspondente a 24,5 mil Dobras.

(c) PNN Portuguese News Network

Partilhar
MAIS ARTIGOS...
  Guiné-Bissau: Uso do véu islâmico entra em debate na ANP
  Brasil: Chuvas intensas estão a afectar a Região Norte
  Ramos-Horta participa em discussão sobre Timor-Leste no Museu do Oriente
  Moçambique reforça controlo da entrada de cidadãos estrangeiros
  Cabo Verde: Câmara Municipal do Tarrafal nega afirmações do PAICV sobre demissão de José Cabral
  Cabo Verde: PAICV e MpD chegam a consenso sobre órgãos externos ao Parlamento
  Guiné-Bissau: Justiça entre os sectores com que cidadãos estão insatisfeitos
  Guiné-Bissau: Tomada de posse do Bastonário da Ordem dos Advogados
  As múltiplas ofensivas em Cabinda
  Guiné-Bissau: Governo organiza fórum nacional sobre direitos das crianças
  Moçambique: Surto de diarreias agudas afecta mais de 2500 pessoas
  Cabo Verde: Professores concluem greve geral de 48 horas

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


MultimÉdia
   
Madeira: 9 partidos e 3 coligações entregaram listas
   
Quase 70 jornalistas perderam a vida em 2014
   
Colunista do «The New York Times» faleceu na redacção do jornal
Cartoon
Jornal Digital | Notícias em Tempo Real | Desde 1998
Hospedagem de Sites Low Cost Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Jornal de São Tomé Timor Leste Cabo VerdeMaputo Digital
Notícias grátis no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais